Margueritte: um filme doce sobre a velhice

Margueritte – com dois “t”s, porque seu pai gaguejou no cartório – é uma senhorinha magricela devoradora de livros e corajosa o suficiente para puxar conversa com um grandalhão no banco do parque. Fora das telas, ela é Gisèle Casadesus: atriz francesa com mais de 70 anos de carreira no teatro, cinema e televisão e membro honorário da Comédie Française (uma das instituições teatrais mais tradicionais do mundo). Em 2010, aos 96 anos, deu vida à protagonista de “Minhas Tardes com Margueritte” e, de lá para cá, já trabalhou em outros três longas, dois curtas e um especial para televisão.

margueritte-1

Apesar da lucidez, a realidade das duas mulheres tem pouco em comum. Margueritte não pode mais trabalhar: foi afastada pela família para um lar de idosos (caríssimo e muito bom, mas solitário como todos) e está prestes a perder a visão e, com ela, seus livros. Além dela, outra senhora também vive momentos difíceis no filme de Jean Becker: a mãe de Germain (o grandalhão de quem falamos antes), cujo nome não sabemos, que está ficando caduca.

“Minhas Tardes com Margueritte” não é um drama, nem um filme tapa-na-cara sobre a velhice como “Amour”, de Michael Haneke ou “Poesia”, de Chang-dong Lee. É um romance feel-good, que mostra o crescimento de um homem pouco educado por meio da figura materna (materializada em Margueritte) e da literatura. Germain talvez não seja tão bruto quanto deveria, mas talvez a intenção não fosse essa, e sim mostrar alguém simples, feirante, que sempre foi menosprezado, mas nunca reagiu com rancor. Falta-lhe, apenas, a cultura da delicada senhora, para que seja uma pessoa feliz.

Apesar de exageradamente otimista, “Margueritte” é um filme poético. Sua mensagem não é a crítica social, mas o elogio à leitura e à língua francesa (Albert Camus é um dos autores lembrados). Prova disso é o título original “La Tète em Friche”, que significa algo como “a cabeça desperdiçada”, referência à grande capacidade de imaginação de Germain, que jamais leu um livro. A obra é baseada no livro homônimo de Marie-Sabine Roger e traz, na cena final, um trecho de poesia que fecha com graça os curtinhos 82 minutos de filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s