Una (Benedict Andrews, 2016)

una f

Já faz mais de 60 anos que Vladimir Nabokov publicou seu livro mais famoso e mais de 50 que Stanley Kubrick o transformou numa das obras mais polêmicas da história do cinema. “Lolita”. A infame história de amor entre um homem adulto e uma menina adolescente. Sedutora, culpada, ninfeta. Saltamos, então, para 2017 e para o burburinho na saída da sessão de um filme chamado “Una”, com Rooney Mara e Ben Mendelsohn… E é como se tempo nenhum tivesse passado.

Una” tem seus problemas e eles são numerosos, mas as expressões de repulsa nada tinham a ver com isso. Como “Elle”, que às vésperas do Oscar causara alvoroço ao arriscar uma perspectiva mais “acinzentada” sobre um estupro, “Una” também tenta humanizar um tema inaceitável: o abuso de uma menor.

O filme, baseado numa peça chamada “Blackbird”, de David Harrower, traz Mara no papel do título. Ela é uma mulher que, 15 anos depois de ser estuprada pelo vizinho e passar por um processo judicial que o levou à cadeia por apenas quatro anos, decide confrontá-lo em seu local de trabalho e descobre que ele mudou de nome, apagou seu passado e vive sem precisar lidar com as consequências de seu crime.

una a

Isso, porém, é o que a consciência do público traz para o filme e não o que, de fato, se desenha na tela. O que vemos é um casal apaixonado e ingênuo que, diante da intervenção educadora da sociedade, percebe que seu relacionamento foi um erro e desenvolve um ódio mútuo que, eventualmente, se transfigura de volta à forma de atração. É, em outras palavras, um romance proibido entre uma menina de 13 e um homem de, sabe-se lá, 30 e poucos.

Mas acalmem-se. Ao que tudo indica, isso era para ser apenas uma superfície permeada por uma intenção muito mais questionadora. Uma tragédia, talvez, sobre a menina que nunca mais conseguiu se desprender de uma ilusão.

Infelizmente, essa intenção não transparece com clareza suficiente, talvez pela inexperiência do diretor Benedict Andrews. O texto, afinal, acerta ao narrar os eventos do passado sob a perspectiva questionável dos dois envolvidos (um, manipulador; a outra, iludida), mas Andrews toma a decisão errada ao colocar essas narrativas na forma de flashbacks, sem nada que as coloque em cheque além do desgosto da audiência. O resultado é que o filme pode se passar por apologético a um crime indefensável, mesmo que não seja.

una g

Outra carta desperdiçada no filme é o ator britânico Riz Ahmed (“Rogue One: Uma História Star Wars”), que parece existir apenas para cumprir uma função prática de roteiro. Intenso e carismático, ele assume o papel de um funcionário do ex-convicto que tem um contato breve com Una e acaba ajudando-a a se encontrar com ele novamente. Mas ele não tem uma história, não tem direito a uma reação (mesmo expressando desconfiança), não tem uma influência real nos personagens.

Sua função, como tantas outras coisas no filme, poderia ter sido muito mais relevante se a obra se prolongasse por mais 15 ou 20 minutos. Curta demais, ela deixa a sensação de estar inacabada e suas pontas soltas fazem com que o diretor pareça inseguro. O público, então, toma a liberdade de amarrá-las como preferir e isso, diante de um tema como este, pode ser, simplesmente, catastrófico.IFrame

Una” estreia nos cinemas no dia 13 de abril.

 

Texto publicado originalmente no site Guia da Semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s