Eu não sou cara-de-pau

Eu não sou cara-de-pau.

Não me sinto à vontade abordando pessoas que não conheço e tenho horror à ideia de gravar um vídeo de mim mesma seja em qual for a situação. Dito isso, um belo dia escolhi ser jornalista, e já faz mais ou menos dez anos.

Sei bem que foi por provocação, mas a verdade é que, na época, eu até que conseguia me virar com minha introversão. Em eventos, observava tudo com o bloquinho na mão, ouvia conversas como quem não quer nada e captava detalhes que, mais tarde, transformava em histórias de quem foi, viu, ouviu e saiu de fininho sem ser notada.

Nas entrevistas, conversava por horas a fio e gravava tudo num aparelhinho que, mais tarde, troquei pelo celular. Gostava dessa parte, especialmente porque não importava se o papo tinha sido bom ou ruim, tudo se consertava no texto e alguma coisa, sempre se aprendia. A pressão era quase zero e eu podia me concentrar no que importava: o entrevistado.

Então veio o Facebook. E o Youtube. E o Instagram. E, por alguns segundos, o Snapchat. E tudo o que eu achava que sabia sobre contar histórias se dissolveu como um torrão de açúcar na pia molhada.

Nada contra essas modernidades, em si. Uso (quase) todas e tenho até um canal, menos atualizado do que deveria. Mas sabe o que aconteceu? O repórter Clark Kent de repente se viu Superman. De uma hora para a outra, ninguém mais quis saber da sua história, do seu personagem, da notícia ou do evento – quiseram saber é dele mesmo: do cara com o gravador e de suas aventuras em tempo real. De “ver e ouvir”, passamos a “mostrar e falar” – sem edição, sem tratamento, sem filtro, sem vergonha. De trás da câmera, pulamos para a frente, ainda descabelados e, de discretos e invisíveis, fomos obrigados a erguer a voz e falar mais alto.

E vocês me desculpem, mas eu não falo alto. Não que não possa falar, quando o humor permitir e as estrelas se alinharem, quando o assunto for bom e a companhia também. Mas fazer disso o meu ofício? Aí, é quando minha alma introvertida se intromete e sussurra: “precisamos conversar”.

Pois precisamos conversar, eu e esse jornalismo exibido, porque essa não sou eu. Eu, que ainda ando com o bloquinho na mão e tenho uma coleção de lápis bem apontados numa caneca ao lado do computador, não sou protagonista, sou narrador. Sonho com leitores, não seguidores – e, verdade seja dita, jamais suportaria tamanha encenação.

Já chega, então, de tentar me adaptar a um jornalismo cara-de-pau. Se o mundo pede snaps, lives e stories, eu lhes darei textões. E vestirei minha capa quando ninguém estiver olhando.

 

Publicado originalmente no site Textão Querido de Cada Dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s