Thelma (Joachim Trier, 2017)

Talvez você ainda não conheça o trabalho de Joachim Trier e Eskil Vogt, mas preste atenção, nos próximos dias, à estreia de um filme chamado “Thelma”. Ele é o candidato norueguês ao Oscar 2018 e logo se vê por quê.

Trier, de sobrenome famoso, é apenas parente distante do diretor de “Anticristo” e “Melancolia”, mas já vem fazendo um nome para si próprio com títulos como “Oslo, 31 de Agosto” e “Mais Forte Que Bombas” – esse último, inclusive, estrelado por Isabelle Huppert e Jesse Eisenberg.

Enquanto ele empunha a câmera com habilidade, é Vogt quem constrói as histórias que se desenrolam na tela, assinando ou colaborando no roteiro de todos os filmes do parceiro desde seu primeiro curta, em 2000. Curiosamente, o roteirista tem um único longa-metragem como diretor – “Blind”, de 2014 – e é justo nele que reside a maior semelhança (inclusive visual) com o suspense que vemos na tela agora, dirigido por Trier e escrito por ambos.

“Thelma”, como “Blind”, tem uma vocação fantástica que o coloca numa categoria completamente diferente do que se espera, a princípio, de um romance de formação sobre descobertas sexuais e tragédias familiares. Esta é a história, como muitas, de uma menina criada sob rígida educação católica, que sai de casa pela primeira vez para cursar faculdade numa cidade grande, longe dos pais. O fato de ela estudar biologia gera as primeiras faíscas de tensão com sua vida anterior, mas será a paixão por uma colega do mesmo gênero que a fará questionar tudo, se perder e, finalmente, se reencontrar um pouco mais madura.

Mas esta é uma história com apenas um pé fincado no chão e o outro, bem longe dali, onde as convulsões de Thelma têm ligação com o voo violento dos pássaros, com o balanço dos lustres ou com uma memória dolorosa de muitos anos atrás, quando algo fez com que um pai desesperado apontasse uma espingarda para a filha de seis anos de idade.

Revelar exatamente o que faz da protagonista (vivida por Elli Harboe) um risco para aquele pai (ou para a mãe, interpretada pela mesma atriz de “Blind”, Ellen Dorrit Petersen) seria estragar a experiência de, lá pela metade do filme, levar a mão à boca e reprimir o grito. “E agora?” – pensarão você e a jovem bióloga, que partirá desnorteada em busca da desagradável resposta.

“Thelma” chega aos cinemas no dia 30 de novembro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s