Domingo no sofá: “Eu não sou um homem fácil”

Era domingo à noite e eu vinha pensando em Morgan Freeman, #metoo e Times Up. Pensava em como um homem foi incentivado a vida toda a tratar mulheres como objetos e, de repente, querem descartá-lo como um rolo de papel. Tentei escrever sobre isso, mas não consegui. Então liguei a Netflix e resolvi assistir à comédia francesa “Eu Não Sou um Homem Fácil”, que um amigo indicou.

O filme fala de um publicitário machista que, depois de bater a cabeça (clichezão que você vai ter a chance de ver de novo em “Sexy Por Acidente”, com Amy Schumer), acorda numa realidade invertida onde as mulheres são o gênero opressor. De repente, seu projeto é recusado, suas piadas rejeitadas e ele se vê obrigado a trabalhar como secretário para uma mulher que, na outra vida, ele tentava conquistar.

O interessante do humor francês é que ele vem do estranhamento e não do exagero, como o americano. Aqui, o cotidiano banal é mais curioso do que o evento mágico e são as pequenas coisas que dão uma alfinetada quando você menos espera. Como o garçom que presume que homens sempre preferem rosé, ou a mulher que comenta, entre olhares incrédulos, que um funcionário “não só é bonito, como também inteligente”. Mas minha cena favorita é aquela em que, durante um jogo de cartas, uma mulher saca uma dupla de Reis. Triunfante, sua adversária mostra uma dupla de Damas e vence. É isso. Simples assim.

Não que tudo seja assim tão sutil. Me incomoda, por exemplo, o quão descaradamente masculina é a visão do “mundo dominado pelas mulheres” que se mostra ali, apesar de a direção e o roteiro serem assinados por elas (Eléonore Pourriat é a diretora e escreve o roteiro junto com Ariane Fert). O novo cenário não é, nem de longe, a sociedade matriarcal que eu esperava ver, mas sim uma inversão literal de papéis, onde falas tipicamente masculinas saem da boca de mulheres – como a ideia de que elas são “biologicamente mais fortes” ou a irritante mania de fazerem “fiu fiu”. Por outro lado, vale lembrar que esse é o delírio de um homem que jamais enxergou uma mulher como ela é, então o problema, no final das contas, talvez seja intencional.

O fato é que toda essa fantasia maluca me fez pensar, de novo, em Morgan Freeman. Esse protagonista, afinal, é exatamente o que estão dizendo que é o ator: um cara inconveniente que acha que é o dono do mundo. Mas você sabe por que ele acha que é o dono do mundo? Porque as cartas no baralho disseram isso pra ele. Porque os garçons e as secretárias reforçaram isso. Porque seus chefes sempre foram homens, sempre elogiaram seu trabalho e até pagaram mais para ele – só porque ele era homem. E agora a gente quer que ele acredite que não tinha esse direito?

Posso estar errada, mas acho que, no mundo real, empatia não se aprende simplesmente com uma pancada na cabeça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s