Homem-Aranha no Aranhaverso: seis aranhas para a nova geração

Depois de anos de super-heróis amadurecidos, sombrios, metidos em guerras mundiais, grandes dilemas morais ou na subversão tão pós-moderna dos conceitos de bem e mal, a animação “Homem-Aranha no Aranhaverso” chega aos cinemas bem menos pretensiosa, devolvendo o gênero às crianças e lembrando aos adultos que toda aventura começa tão pequena quanto uma picada de aranha num garoto inseguro.

Continuar lendo “Homem-Aranha no Aranhaverso: seis aranhas para a nova geração”

Tinta Bruta: vencedor do Teddy Awards usa delicadeza e poesia para falar de repressão

Pedro não gosta de lugares públicos. Apesar disso, todas as quintas-feiras ele liga sua webcam e dança nu, banhando-se em tinta neon e tocando seu corpo colorido para uma plateia fiel e pagante. O vencedor do Festival do Rio e do Teddy Awards (troféu voltado para filmes queer no Festival de Berlim), “Tinta Bruta”, finalmente chega aos cinemas brasileiros no dia 6 de dezembro trazendo essa história melancólica e quase trágica para brilhar na tela. Isso, se o público estiver pronto para ela. Continuar lendo “Tinta Bruta: vencedor do Teddy Awards usa delicadeza e poesia para falar de repressão”

Azul, com traços vermelhos

A questão me apresentava quatro alternativas e, em cada uma delas, duas palavras ambíguas. Você é distante e reservada? Ou cuidadosa e atenciosa? Influente e criativa ou firme e assertiva? Azul, verde, amarela ou vermelha? Vamos, escolha. Conte-nos quem você é. Continuar lendo “Azul, com traços vermelhos”

Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar

Mais um ano, mais um remake ambicioso com o subtítulo “a origem” chega aos cinemas. Desta vez, é o justiceiro Robin Hood que ganha sua enésima rodada nas telas, agora com o rostinho bonito de Taron Egerton, uma coleção de roupas inexplicavelmente modernas e o festival de pirotecnia e efeitos visuais que se espera de qualquer superprodução de respeito. Continuar lendo “Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar”

MIS recebe exposição sobre Quadrinhos em São Paulo

De novembro de 2018 a março de 2019 o Museu da Imagem e do Som – MISem São Paulo apresenta a exposição”Quadrinhos“, com mais de 600 peças de diversas épocas e países representando toda a variedade de produções com o tema, desde tirinhas cômicas e políticas até grandes sagas transformadas em filmes, séries de TV e outras mídias. 

Hagar, O Terrível, Mônica e Cebolinha, Batman, Tintim, Mafalda, Garfield, todos estão reunidos em dois andares inteiros do museu, com revistas, estatuetas, artes originais e textos informativos para que o público saia conhecendo melhor esse universo.

A exposição fica em cartaz até o dia 31 de marçoe os ingressos podem ser comprados, com hora marcada, no site Ingresso Rápido, ou pessoalmente (apenas para o mesmo dia) na bilheteria.

Mais informações, www.mis-sp.org.br.

 

Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas

Há muito pouco fogo no sul-coreano “Em Chamas”. Muito pouco diante das câmeras, quero dizer, porque, por trás delas, pode haver quantas labaredas você quiser imaginar. E é disso que se trata o suspense psicológico de Lee Chang-Dong, longa que representa seu país no Oscar 2019 depois de ter sido indicado à Palma de Ouro e vencido o prêmio da crítica em Cannes: imaginação. Continuar lendo “Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas”

Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades

Quando uma série adaptada se desprende de seu material original, coisas inesperadas, necessárias e um pouco incômodas costumam acontecer. Tem sido assim com os episódios mais recentes de Game of Thrones e, cada vez mais, tem sido assim com a franquia Harry Potter. “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, segundo prequel da saga bruxa que chega aos cinemas neste mês já sem nenhum livro concreto no qual se basear, é prova disso. Continuar lendo “Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades”

O Grinch: fofura natalina para derreter corações gelados

Vocês se lembram dele, não se lembram? Verde, rabugento, querendo destruir o Natal… No Brasil, as criações do autor infantil Dr. Seuss não são tão conhecidas, mas, em 2000, um filme estrelado por Jim Carrey tornou uma de suas criaturas bem famosa – mesmo que não exatamente amada. É que o longa, que também veio com o nome “O Grinch” (“How the Grinch Stole Christmas”, no original), era um live action e os personagens da “Quemlândia” mais pareciam monstrinhos excêntricos do que alegres cidadãos apaixonados pelas luzes natalinas. O próprio Grinch, então, era de causar pesadelos. Continuar lendo “O Grinch: fofura natalina para derreter corações gelados”

“A Garota na Teia de Aranha”: saga Millenium continua sem a pegada da Fincher ou Larsson

A atriz sueca Noomi Rapace, a americana Rooney Mara e a britânica Claire Foy podem ter muito pouco em comum, mas, a partir do dia 8 de novembro, todas terão vivido a mesma personagem nos cinemas: Lisbeth Salander, a hacker caçadora de homens maus. É quando estreia no Brasil o novo filme da saga Millenium, “A Garota na Teia de Aranha” – adaptação do quarto livro da série, escrito por David Lagercrantz (Stieg Larsson, autor dos três primeiros, faleceu em 2004). Continuar lendo ““A Garota na Teia de Aranha”: saga Millenium continua sem a pegada da Fincher ou Larsson”

Bohemian Rhapsody: biografia do Queen joga seguro, mas emociona

Quando as primeiras notas de Another One Bites the Dust vibram no baixo de John Deacon e ressoam pelas caixas de som na sala de cinema, os fãs se arrepiam e uma acalorada discussão chega ao fim. Na tela, Freddie, Roger e May vinham discordando sobre incluir ou não um pouco de Disco no álbum seguinte, mas aquele riff perfeito trouxe suas atenções de volta ao que importava: a música. Sem gêneros, sem promessas, sem padrões, simplesmente a música do Queen. Continuar lendo “Bohemian Rhapsody: biografia do Queen joga seguro, mas emociona”