Que Horas Ela Volta?, Straight Outta Compton e o que Matt Damon não entendeu sobre diversidade

O mundo mudou. Há quem não consiga acompanhar as novidades, mas acreditar que a humanidade é caucasiana, que lugar de mulher é na cozinha ou que o mundo é dividido entre ricos e pobres, cidadãos e estrangeiros, é viver ao lado dos dinossauros. E 2015 está provando isso como nunca. Continuar lendo “Que Horas Ela Volta?, Straight Outta Compton e o que Matt Damon não entendeu sobre diversidade”

2001 – Uma Odisseia no Espaço

Desde pequena, já ouvia falar em 2001: Uma Odisseia no Espaço. Para mim, o filme foi por muitos anos um enorme ponto de interrogação, dividido entre a cena indecifrável de um macaco jogando um osso para o céu ao som de uma sinfonia (“Assim Falou Zarathustra”, de Richard Strauss) e um astronauta atravessando uma estranha sala circular (ou seria octagonal?). Continuar lendo “2001 – Uma Odisseia no Espaço”

Os Sapatos (Parte 2)

Caco disse para a mãe que estava indo ao clube e, antes que ela pudesse perguntar mais detalhes, os dois partiram correndo pela rua. Caminharam por vinte minutos na avenida principal, depois dobraram à direita num posto de gasolina, subiram uma ruazinha estreita e Caco parou, fazendo sinal para que Lisa o acompanhasse. Então levantou o dedo indicador. Continuar lendo “Os Sapatos (Parte 2)”

FAHRENHEIT 451: DO LIVRO PARA O FILME

É sempre um desafio analisar adaptações literárias para o cinema. E esta não é qualquer adaptação: estamos falando de François Truffaut interpretando, em 1966, a obra de de Ray Bradbury, o homem apaixonado por ficção científica que escreveu mais de 50 livros e roteiros para a televisão e trabalhou até seus últimos dias (2012). Continuar lendo “FAHRENHEIT 451: DO LIVRO PARA O FILME”