Dica de livro: “Adultos”, de Emma Jane Unsworth

“– Você precisa confiar em si mesma.

– Não sei em quem confiar, porque não sei quem sou. Tenho trinta e cinco anos, estou na metade do caminho, e ainda estou esperando a minha vida começar.”

Adultos, Emma Jane Unsworth

Eu ia colocar um título engraçadinho – “Adultos (e outras palavras vagas)” ou algo assim. Mas cheguei à conclusão de que talvez vocês quisessem saber que isso aqui é uma dica de livro, não uma reflexão amargurada sobre certa fase da vida. Há muito o que dizer sobre ser adulto, é claro… Mas não me sinto especialmente amargurada hoje. Sinto que é um bom dia para recomendar um livro.

Continuar lendo “Dica de livro: “Adultos”, de Emma Jane Unsworth”

10 Coisas (meio aleatórias) que eu amei em 2020

“2020 foi um ano esquisito” deve ser o eufemismo da década. Este ano foi meio bizarro para todos, especialmente para aqueles que, como eu, se trancaram em casa pela maior parte dos últimos dez meses colecionando pesadelos sobre máscaras esquecidas, visitas descuidadas e aglomerações. Mas a verdade, se querem saber, é que ficar em casa talvez nem tenha sido o mais estranho por aqui. 

Continuar lendo “10 Coisas (meio aleatórias) que eu amei em 2020”

Meus favoritos de 2018

Chamem-me de piegas, mas sou daquelas pessoas que aproveitam o período entre dezembro e janeiro para fazer o “balanço” do ano que passou e anotar os projetos, metas e tendências para o ano que vem. Retrospectivas são comigo mesmo e talvez esta seja a única época em que eu realmente vejo sentido em fazer listas. Então, antes de olhar para 2019 com olhos curiosos, quero compartilhar com vocês um pouco do que eu vi, li e descobri em 2018. Vamos?

Continuar lendo “Meus favoritos de 2018”

Lendo Anne Rice

Algumas memórias ficam guardadas por tanto tempo que a gente até esquece que aconteceram de verdade… Até que, um dia, elas vêm à tona por um motivo qualquer. E você pensa: como foi que eu fiquei tanto tempo sem lembrar? Continuar lendo “Lendo Anne Rice”

Artistas malditos

Não sei se vocês já leram alguma aventura de Sherlock Holmes, mas tenho uma coleção completa aqui e, de tempos em tempos, pego uma das histórias para folhear antes de dormir. São divertidíssimas, recomendo! Mas tem uma pegadinha… Elas podem ser bem preconceituosas.

Continuar lendo “Artistas malditos”

Livros pela metade

Preciso confessar uma coisa: já deixei muitos livros pela metade. Fui uma leitora exemplar quando criança, do tipo que, mesmo se a história não animava, dava um jeito de chegar até o fim – e chegava rápido. Mas a coisa começou a desandar com “Crime e Castigo”. Uma vergonha, eu sei. Fui lendo, fui lendo, até que chegou uma página divisória escrito “Parte 2” e foi a minha deixa. Nunca mais voltei.

Continuar lendo “Livros pela metade”

FC! Review – Harry Potter e a Criança Amaldiçoada


Esta semana, deixamos o cinema de lado para falar de um livro: “Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”. Continuar lendo “FC! Review – Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”

“O Planeta dos Macacos” volta às livrarias em edição recheada de extras

Faz 52 anos que “O Planeta dos Macacos” invadiu as livrarias para se tornar um dos maiores clássicos da ficção científica de todos os tempos. Hoje, é difícil encontrar quem não conheça a história do astronauta que aterrissa num planeta onde macacos são civilizados e homens são escravos, mas é ainda mais difícil encontrar quem tenha lido o original de Pierre Boulle. Continuar lendo ““O Planeta dos Macacos” volta às livrarias em edição recheada de extras”

2001 – Uma Odisseia no Espaço

Desde pequena, já ouvia falar em 2001: Uma Odisseia no Espaço. Para mim, o filme foi por muitos anos um enorme ponto de interrogação, dividido entre a cena indecifrável de um macaco jogando um osso para o céu ao som de uma sinfonia (“Assim Falou Zarathustra”, de Richard Strauss) e um astronauta atravessando uma estranha sala circular (ou seria octagonal?). Continuar lendo “2001 – Uma Odisseia no Espaço”

FAHRENHEIT 451: DO LIVRO PARA O FILME

É sempre um desafio analisar adaptações literárias para o cinema. E esta não é qualquer adaptação: estamos falando de François Truffaut interpretando, em 1966, a obra de de Ray Bradbury, o homem apaixonado por ficção científica que escreveu mais de 50 livros e roteiros para a televisão e trabalhou até seus últimos dias (2012). Continuar lendo “FAHRENHEIT 451: DO LIVRO PARA O FILME”