Explicações

Olá, com licença, meu nome é Juliana e acho que devo algumas explicações.

Para começar, este é o meu blog. Ele não é novo, não faço ideia de há quantos anos já me acompanha, mas até ontem não passava muito de um portfolio de textos sortidos. Coisa escritas para três ou quatro veículos diferentes, de críticas de cinema a crônicas pessoais, de coberturas de eventos a contos inacabados. Até então, ele nem tinha nome.

Continuar lendo “Explicações”

U.S.S. Callister e o nerd que nunca será pop

Não é preciso ser especialista para dizer que a cultura nerd está em alta. Filmes de super-heróis ocupam, todos os anos, pelo menos quatro ou cinco entre as dez maiores bilheterias no ranking mundial, franquias como “Star Wars”, “O Senhor dos Anéis” e “Harry Potter” estão entre as mais bem-sucedidas de todos os tempos nos cinemas e os grandes estúdios continuam sonhando em conquistar o público gamer com uma adaptação decente de pelo menos um dos principais jogos milionários do mercado. Continuar lendo “U.S.S. Callister e o nerd que nunca será pop”

CCXP: superpoderes, superdesafios

Nos últimos quatro dias, uma palavra específica voltou a ressoar por todos os sites nerds e moderninhos do Brasil, repetida com relutância pelos gigantes dinossauros, como vem acontecendo todos os anos há exatamente quatro dezembros. “Épico”, é o que se diz. “Épico”, porque é sobre estas cinco letras que se apoia toda a comunicação da feira brasileira de quadrinhos, filmes, séries e games chamada Comic Con Experience – ou, apelido mais independente das avós internacionais, CCXP. Continuar lendo “CCXP: superpoderes, superdesafios”

Por dentro da CCXP 2017

Pela primeira vez, a CCXP – Comic Con Experience abriu as portas na quarta-feira à noite (um dia antes da abertura oficial) e deu aos fãs um gostinho do que vem por aí nos próximos 4 dias. Nós do Fala, Cinéfilo!, é claro, já fomos logo conferir e mostramos para vocês os principais destaques desta feira de quadrinhos, games, cinema e séries que acontece no São Paulo Expo de 7 a 10 de dezembro.

Caixas, parafusos e cheiro de cola

Faz quase exatamente um mês que começou a reforma. Checo o calendário duas vezes, desconfiada, porque a cartela vazia de antialérgicos e a mala, tantas vezes refeita, insistem em dizer que faz muito mais. Cronologicamente falando, porém, na medida do relógio e não dos sentimentos, tudo indica que passou-se mesmo apenas isso: um mês. Continuar lendo “Caixas, parafusos e cheiro de cola”

O que nos resta.

Leu as manchetes do dia como quem lê a previsão do tempo: um presidente ameaça “destruir completamente” o país do outro durante um encontro numa assembleia que levava as palavras “Nações” e “Unidas”. Vociferava como uma criancinha e aproveitou para estender a ameaça a outras duas “nações”, só porque gostava da brincadeira. Continuar lendo “O que nos resta.”

Crítica, modo de usar.

Talvez eu não seja a melhor pessoa para falar sobre isso neste momento… Não escrevo uma crítica há mais tempo do que posso admitir e tenho inventado desculpas para continuar nesse hiato. Mas talvez esse seja justamente o motivo pelo qual preciso falar sobre isso. Sobre a crítica cultural, em geral… Sobre a crítica de cinema, em particular. E sobre críticos e leitores que ainda não entenderam para que serve essa palavra tão cheia de glamour e rancor.

Continuar lendo “Crítica, modo de usar.”

Ócio, velho desconhecido

Quando era mais nova, ouvia falar de um tal de “ócio criativo”. O nome era engraçado, parecia desculpa para não se fazer nada… Mas era coisa de artistas, de boêmios, devia ter o seu valor. Fosse como fosse, a verdade é que eu nunca o tinha praticado. Pelo menos, não conscientemente.

Continuar lendo “Ócio, velho desconhecido”