Estreias do fim de semana – 06/08 a 08/08

Alguém pediu dicas ecléticas para o fim de semana? Pois hoje eu trago sete estreias para absolutamente todos os gostos e bolsos. Tem filme premiado e gratuito pra ver na internet, tem filme-família pra ver no cinema, tem pipocão pra ver no streaming… Tem de tudo.  Vem comigo que eu te mostro!


FILMES E SERVIÇOS

Mortal Kombat | HBO Max

Druk – Mais uma rodada | Telecine

Os sapatinhos vermelhos | Belas Artes à la Carte

Em pedaços | Sesc Digital

Abe | Cinemas

O Esquadrão Suicida | Cinemas

Culpa | Filme Filme


OUTROS LINKS

Crítica de Abe

Crítica de Culpa

Episódio do Cinefilia & Companhia com Culpa

Estreias do fim de semana (23 – 25/07)

O fim de semana está entre nós e, com ele, a chance de assistir um filminho com pipoca no sofá ou, se você já estiver vacinado, na poltrona do cinema. Confira alguns destaques entre as estreias nas mais diversas plataformas:

SWEAT | Mubi

A cultura digital dos influenciadores é examinada de perto no longa “Sweat”, do sueco Magnus Von Horn, estreia da semana na Mubi. O filme acompanha uma blogueira fitness que vive o auge do sucesso online, mas, ao mesmo tempo, sofre com a carência de contato humano verdadeiro, enquanto precisa lidar com um fã obcecado.

CÉU VERMELHO-SANGUE | Netflix

Quando um grupo de terroristas decide sequestrar um avião, no thriller “Céu vermelho-sangue”, da Netflix, eles certamente não esperavam que uma das passageiras fosse, secretamente, uma vampira, que agora está determinada a proteger seu filho e chegar ao seu destino, custe quanto sangue custar.

EM UM BAIRRO DE NOVA YORK | HBO Max

A versão cinematográfica do musical da Broadway “Em um bairro de Nova York” chega ao catálogo da HBO Max, com a trilha composta por Lin-Manuel Miranda. O filme mostra uma comunidade latina dentro da agitada metrópole estadunidense. Lá, o dono de uma bodega economiza cada centavo enquanto sonha com uma vida melhor.

RASHOMON | Belas Artes à la Carte

O clássico de Akira Kurosawa “Rashomon” é o grande destaque do Belas Artes à la Carte. O filme de 1950 conta a história de um mesmo crime a partir de quatro pontos de vista: o de um bandido, uma noiva, um fantasma e um lenhador. Vencedor do Leão de Ouro e indicado ao Oscar pela Direção de Arte

SABOR DA VIDA | Filme Filme

Já a plataforma Filme Filme traz para o catálogo o romance Sabor da Vida, da diretora japonesa Naomi Kawase. O filme acompanha o dono de uma loja de dorayakis – bolinhos japoneses recheados de pasta de feijão – que contrata uma senhora para ajudá-lo, depois de provar seus deliciosos bolinhos. Com a atriz Kirin Kiki, de “Assunto de Família”.


A SOMBRA DO PAI | Sesc Digital

Representante do novo terror brasileiro, “A Sombra do Pai” estreia gratuitamente no site do Sesc, como parte do projeto Cinema Em Casa. O filme é o segundo da diretora Gabriela Amaral Almeida, de “O Animal Cordial”, e conta a história de um pai e uma filha de 9 anos que se tornam distantes após a morte da mãe. Aos poucos, o pai vai se tornando mais ausente e mais ameaçador, enquanto a menina começa a acreditar que pode trazer a mãe de volta à vida.

UM LUGAR SILENCIOSO: PARTE II | Cinemas

Emily Blunt retorna aos cinemas para a segunda parte de “Um lugar silencioso”. No novo filme, sua personagem parte com os três filhos para desbravar o que restou do mundo fora de seu refúgio e encontrar outros sobreviventes. Agora que ela conhece o ponto fraco das criaturas que caçam pelo som, a humanidade pode ter uma chance.

Gostou? Veja a lista completa de lançamentos de julho aqui.

10 Filmes sobre cozinheiros

Se a cozinha é o seu lugar favorito da casa, seus amigos estão sempre se convidando para jantar, e você até andou aproveitando o isolamento para aprender novas receitas, prepare-se para se deliciar com esta lista:


First Cow

O sucesso indie “First Cow”, dirigido por Kelly Reichardt, já está no catálogo do Mubi com um cardápio do tipo “improvisadão”. Ambientado no início do século XIX, o filme conta a história de um cozinheiro que viaja até o extremo Oeste americano procurando começar uma vida por lá. Chegando a um pequeno povoado, ele se une a um imigrante chinês e começa a produzir bolinhos fritos – que parecem bolinhos de chuva –, trazendo a esse ambiente bruto um gostinho de infância e uma lembrança da vida urbana. Os quitutes são um sucesso, mas há um problema: a receita usa leite, só existe uma vaca na região, e ela não pertence a eles.


Meu eterno talvez

Procurando algo mais açucarado? A dica é a comédia romântica “Meu eterno talvez”, em cartaz na Netflix. Com Ali Wong e Randall Park, o filme acompanha um casal de amigos que se conhece desde a infância, mas acaba se afastando e se reencontra depois de 15 anos em posições radicalmente opostas. Ela se tornou uma chef renomada, enquanto ele não conseguiu evoluir muito desde que os dois se viram pela última vez. Será que duas pessoas tão diferentes vão conseguir se entender?


A 100 passos de um sonho

Agora pense num filme com pratos de encher os olhos, dignos de revista. É assim em “A 100 passos de um sonho”: essa é a história de uma família indiana que emigra para a França e decide abrir um restaurante, começando uma rivalidade com seu vizinho de frente: um tradicional restaurante francês que ostenta uma estrela Michelin. 


Julie e Julia

Todo grande cozinheiro precisa começar por algum lugar, não é mesmo? Em “Julie e Julia”, de Nora Ephron, Amy Adams é uma mulher que decide aprender a cozinhar com a ajuda de um livro de receitas da famosa Julia Child, e documenta todo o processo num blog. A história de Child, interpretada por Meryl Streep, vai sendo contada em paralelo, mostrando como ela, também, enfrentou suas dificuldades para entrar nesse mundo até então exclusivamente masculino.


Chef

O multitalentoso Jon Favreau escreve, dirige e protagoniza a comédia inspiradora “Chef”, que tem sabor de comida de rua. No filme, ele vive um chef de cozinha que abandona o trabalho num grande restaurante após receber uma crítica negativa e perceber que não estava feliz. Então, ele decide abrir um food truck junto com seu melhor amigo e o filho, e pegar a estrada.


Ratatouille

Uma das animações mais fofas da Pixar consegue juntar a paixão francesa pela gastronomia e uma das figuras mais temidas por qualquer dono de restaurante: um rato. Pois Ratatouille é justamente sobre um ratinho com talento para a cozinha, cujas intenções são obviamente frustradas por sua natureza. As coisas começam a dar certo quando ele se une a um cozinheiro aprendiz, humano, e começa a levar suas receitas para um respeitado restaurante, sem que ninguém desconfie.


Sem reservas

Passando para uma proposta meio-doce, meio-azeda, recomendamos o romance “Sem reservas”, com Catherine Zeta Jones, Aaron Eckhart e uma pequenininha Abigail Breslin. O filme adota o clichê da mulher bem-sucedida que é temida por todos os seus colegas e não consegue conciliar a vida familiar com a profissional, mas complica a questão ao colocar, na vida da chef Kate, uma responsabilidade repentina: cuidar da sobrinha de dez anos após a morte da irmã. Para piorar, um novo chef é contratado por seu restaurante, e ela teme que ele tenha vindo roubar o seu lugar.


Pegando fogo

Seguindo na linha de chefs problemáticos, que tal conhecer Adam Jones? O chefe de cozinha vivido por Bradley Cooper em “Pegando Fogo” conseguiu arruinar a própria carreira com seu comportamento irresponsável e vício em drogas. Agora, sóbrio e queimado, ele tenta retornar à ativa assumindo o comando de um importante restaurante londrino.


Os sabores do palácio

Falando em trabalhos importantes, você já parou para pensar em quem prepara a comida para as autoridades? Em “Os sabores do palácio”, a chef Hortense Laborie é convidada para ser a cozinheira particular do presidente francês, amante da gastronomia e sedento por novos sabores. Competente e firme em suas escolhas arriscadas, Hortense consegue conquistar seu novo patrão, mas logo perceberá que, num lugar tão cheio de egos e poderes, não é só ele que precisa aprovar seu trabalho… 


The Lunchbox

Para encerrar o menu com aquela “comfort food” de aquecer o coração, sugerimos o indiano “The lunchbox”. Nele, uma dona-de-casa prepara marmitas para o marido numa tentativa de melhorar a relação; mas, certo dia, o almoço é entregue no endereço errado e vai parar nas mãos de um homem solitário, prestes a se aposentar. Depois de explicado o engano, os dois começam a trocar cartas por meio das marmitas e desenvolvem uma profunda amizade, mesmo sem nunca terem se conhecido. 


Já ficou com fome? Então aprecie este vídeo com personagens cozinhando no dia-a-dia em filmes do Studio Ghibli:


Este conteúdo também está no Youtube, numa versão mais enxuta! Siga nosso canal:

Até a Netflix está preocupada com o totalitarismo

Acabei de ver, meio por acaso, o primeiro episódio de uma série documental da Netflix chamada Como se tornar um tirano. Ela deve ter acabado de chegar, já que a data de lançamento é 2021, e não poderia ter vindo em melhor momento. Na verdade, sua existência é quase um mau sinal: se chegamos no ponto em que a cultura pop está discutindo tirania e desenhando didaticamente o que significa ser um tirano (mais didaticamente do que Harry Potter e Star Wars), é porque talvez já seja tarde demais. 

Pessimismo à parte, lembro-me de quando estava na escola, talvez no colegial, e minha professora de História tentava explicar a um bando de alunos incrédulos como a Alemanha nazista tinha se tornado uma realidade. “Que povo cruel!”, julgávamos, do alto de nossos incontestáveis bons-sensos. “Como eles podem ter concordado com isso?”. E a História parecia, naquele momento, apenas uma curiosidade sobre um mundo distante que precisávamos conhecer porque cairia na prova. 

Acho que o filme A Onda foi o primeiro a plantar a dúvida em muitos de nós. “Será que…”, começamos a nos perguntar, preocupados, “Será que somos muito mais manipuláveis do que imaginávamos? Será que aquilo poderia acontecer com qualquer um de nós?!”. 

Ah, a ignorância é uma bênção, né?

Sempre ouvi dizer que a História era cíclica, e até pouco tempo atrás tinha a sensação de que isso só se aplicava ao mundo da moda, que cansava de inovar e colava da geração anterior a cada duas ou três décadas, previsivelmente. Quanto à História real, ela era feita de ciclos enormes – coisa de séculos, que eu não ia ver. Imagine, uma crise de verdade? Ditadura, guerra, assassinatos políticos? Não na minha vez.

Aí, já não era ignorância. Era negação. Meu cérebro tentando se autopreservar durante uma juventude alimentada por George Orwell, Aldous Huxley e Ray Bradbury e professoras desanimadoramente realistas, como aquela. Mas a verdade é que, depois que você aprende a ler os sinais, fica ridiculamente fácil reconhecer um governo potencialmente totalitário, ou tirânico, quando você o vê. E, a julgar pela série da Netflix, não somos apenas nós que estamos olhando para ele.

Como se tornar um tirano tem como alvo todas aquelas pessoas que, como eu e meus colegas no colegial, não acreditam que o nazismo poderia nascer aqui, hoje, e acham exagero quando alguém compara, por exemplo, Bolsonaro a Hitler. De fato, eles não são iguais, e o Brasil de 2021 não é a Alemanha de 1934, mas não se iluda pensando que Hitler era, de alguma forma, especial, ou que sua influência sobre o povo alemão não tem semelhanças com o que está acontecendo aqui e em outros países no mundo, agora. 

Isso pode parecer uma teoria da conspiração, mas é só História. O totalitarismo, como bem notou Hannah Arendt, tem padrões muito claros, e a turma de Adolph ajudou a lapidar alguns deles. É aqui, então, que entra a série. Narrada por Peter Dinklage (experiente em tronos e tiranias) e costurada pelas trajetórias de Hitler, Stálin, Kim Il-Sung, Muammar Khadafi e Idi Amin Dada, ela aproveita o formato portátil dos episódios de meia-hora, com ilustrações dinâmicas e tom de voz despojado, para ensinar ao público quais são esses padrões. Então, sob o disfarce de um “livro de regras” para aconselhar um futuro tirano, a produção vai tentando tornar o espectador mais preparado para reconhecer o perigo e, quem sabe, não se deixar manipular tão facilmente da próxima vez (ou nesta). Bem sabemos que conhecer o problema não é suficiente para impedir que ele aconteça, mas é um bom primeiro passo. 

Se tudo isso está soando abstrato demais, aqui vão alguns dos ingredientes essenciais para a criação de um tirano, segundo esse “livro de regras”:

  1. Megalomania, excesso de autoconfiança ou simples narcisismo delirante: a arte de acreditar que “só você pode salvar o mundo”, como vem ensinando Hollywood há pelo menos meio século (Neo, estou olhando para você)
  1. Um dedo bem apontado para o Outro: uma nação feliz não tem interesse em tiranos, então é importante identificar algo que esteja causando indignação (como uma crise econômica), e depois eleger um Grande Culpado (que nunca será você mesmo, é claro, mas normalmente imigrantes, acadêmicos, artistas, mulheres um pouco mais questionadoras, comunistas, judeus etc). O Partido Nazista, vejam só, ascendeu depois da Queda da Bolsa de 29, o que me faz pensar se a ascensão global da extrema direita nos dias de hoje não pode ser um reflexo da crise de 2008, quando uma série de bancos americanos quebraram em decorrência da bolha imobiliária, afetando mercados do mundo inteiro.
  1. Gente como a gente: nada como uma caneta Bic para mostrar que alguém é simples, né? Pois os maiores ditadores da História sempre se preocuparam em manter uma imagem próxima do povo para que fossem reconhecidos como os “verdadeiros representantes” do país, mesmo que isso só fosse verdade na hora da foto. Afinal, isso não é sobre um partido ou um plano de governo, mas sobre criar um ídolo. 
  1. Publicidade é tudo: Goebbels sabia disso. Hoje em dia, talvez a publicidade clássica, baseada na repetição infinita de uma imagem e uma ideia, tenha sido substituída pelo investimento na desinformação – com mil fontes dizendo coisas diferentes, quem é que vai acreditar nos jornais quando eles apontarem os erros do governo?
  1. Esquadrão de minions: pra quem não sabe, o termo “minion”, usado na animação “Meu malvado favorito”, significa algo como “capanga”, ou “seguidor fiel” de alguém poderoso, frequentemente um vilão. Como explica Dinklage (e a História), qualquer pessoa que pretenda aplicar um golpe de governo e se manter ali, numa posição de poder absoluto, precisa se cercar de aliados extremamente fiéis, capazes de fechar os olhos para tudo o que ocorrer de absurdo ou desumano (como campos de concentração nazistas), por lealdade à sua imagem.

E isso foi só o primeiro episódio. Deu até um medinho, né? 

Estreias do fim de semana – 09/07 a 11/07

Ainda não decidiu o que assistir neste feriado? Aqui vão sete sugestões de filmes e séries que acabaram de chegar às principais plataformas de streamings:

Viúva Negra | Disney Plus (Premier Access) + Cinemas

O filme-solo da heroína mais importante do Universo Cinematográfico Marvel demorou, mas finalmente chegou aos cinemas e ao Disney Plus, via Premier Access. Em “Viúva Negra”, Scarlett Johansson retorna ao papel de Natasha Romanoff, numa história que se passa após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, enquanto os Vingadores estão separados. No filme, conhecemos melhor o lado espiã da personagem, que divide a tela com novas figuras interpretadas por Florence Pugh, David Harbor e Rachel Weisz.

Elize Matsunaga: Era uma vez um crime | Netflix

Gosta de um “true crime”? Então a Netflix tem uma nova série para você maratonar: “Elize Matsunaga: Era uma vez um crime”. O documentário em quatro episódios relembra o caso do assassinato de Marcos Matsunaga por sua esposa, Elize, em 2012, e, pela primeira vez, ela tem a chance de contar o seu lado da história. O filme é dirigido por Eliza Capai, do excelente “Espero tua (re)volta”.

Maurice | Belas Artes à la Carte

Especialista em clássicos, o Belas Artes à la Carte traz nesta semana o romance “Maurice”, com Hugh Grant e James Wilby. O longa é dirigido por James Ivory, que foi roteirista de “Me chame pelo seu nome” e comandou diversos filmes de época. Ele adapta um romance de E.M. Foster sobre um jovem britânico rejeitado pelo homem que ama em meio à conservadora sociedade eduardiana, no século XIX.

Simpatia pelo diabo | Reserva Imovision

Já o Reserva Imovision traz como destaque o drama “Simpatia pelo diabo”, um filme de 2019 inspirado numa história real sobre um jornalista francês absolutamente destemido e idealista que cobre o cerco de Sarajevo durante a Guerra da Bósnia. 

O Rebanho | Telecine

No Telecine, a novidade é o suspense “O Rebanho”, que parece uma combinação de “A Bruxa” e “O Conto da Aia”, com um quê de “A Vila”. O filme acompanha uma jovem que cresce dentro de uma comunidade isolada, formada por um homem e muitas mulheres: ali, ele é adorado como uma espécie de salvador, e todas elas são suas esposas ou filhas, vivendo sob regras rígidas e opressivas. É uma receita para o desastre.

Mr. X | MyFrenchFilmFestival

Em homenagem ao Festival de Cannes, que começou na última terça-feira, o MyFrenchFilmFestival está disponibilizando uma seleção de filmes de língua francesa que já passaram pelas edições mais recentes do evento – tudo de graça e online. A programação também traz o documentário Mr. X, ou Mr. Leos Carax, sobre o misterioso e cultuado diretor de “Holy Motors”, que abriu o festival deste ano com seu novo filme “Annette”.

Ascensão | Cinema #EmCasaComSesc

Quem também traz uma programação temática é o Sesc Digital, que, a partir do dia 9 de julho, exibirá quatro filmes dirigidos por cineastas soviéticas, um por semana. O primeiro é “Ascensão”, de Larissa Chepitko, que ganhou o Urso de Ouro em 77 com a história de dois partisans soviéticos capturados por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Gostou? Veja o calendário completo das estreias de julho aqui.

MIS recebe exposição sobre Quadrinhos em São Paulo

De novembro de 2018 a março de 2019 o Museu da Imagem e do Som – MISem São Paulo apresenta a exposição”Quadrinhos“, com mais de 600 peças de diversas épocas e países representando toda a variedade de produções com o tema, desde tirinhas cômicas e políticas até grandes sagas transformadas em filmes, séries de TV e outras mídias. 

Hagar, O Terrível, Mônica e Cebolinha, Batman, Tintim, Mafalda, Garfield, todos estão reunidos em dois andares inteiros do museu, com revistas, estatuetas, artes originais e textos informativos para que o público saia conhecendo melhor esse universo.

A exposição fica em cartaz até o dia 31 de marçoe os ingressos podem ser comprados, com hora marcada, no site Ingresso Rápido, ou pessoalmente (apenas para o mesmo dia) na bilheteria.

Mais informações, www.mis-sp.org.br.