Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar

Mais um ano, mais um remake ambicioso com o subtítulo “a origem” chega aos cinemas. Desta vez, é o justiceiro Robin Hood que ganha sua enésima rodada nas telas, agora com o rostinho bonito de Taron Egerton, uma coleção de roupas inexplicavelmente modernas e o festival de pirotecnia e efeitos visuais que se espera de qualquer superprodução de respeito. Continuar lendo “Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar”

Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas

Há muito pouco fogo no sul-coreano “Em Chamas”. Muito pouco diante das câmeras, quero dizer, porque, por trás delas, pode haver quantas labaredas você quiser imaginar. E é disso que se trata o suspense psicológico de Lee Chang-Dong, longa que representa seu país no Oscar 2019 depois de ter sido indicado à Palma de Ouro e vencido o prêmio da crítica em Cannes: imaginação. Continuar lendo “Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas”

Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades

Quando uma série adaptada se desprende de seu material original, coisas inesperadas, necessárias e um pouco incômodas costumam acontecer. Tem sido assim com os episódios mais recentes de Game of Thrones e, cada vez mais, tem sido assim com a franquia Harry Potter. “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, segundo prequel da saga bruxa que chega aos cinemas neste mês já sem nenhum livro concreto no qual se basear, é prova disso. Continuar lendo “Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades”

FC! Review – Harry Potter e a Criança Amaldiçoada


Esta semana, deixamos o cinema de lado para falar de um livro: “Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”. Continuar lendo “FC! Review – Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”

FC! Review – Esquadrão Suicida


Chegou a hora de falar algumas verdades sobre um dos filmes mais aguardados do ano. “Esquadrão Suicida”, aposta da DC para subverter o gênero de super-heróis com um grupo de vilões enlouquecidos, estreia nesta quinta-feira, 4 de agosto, e já está dividindo opiniões. Afinal, será que esta estreia faz justiça ao hype? Confira nossa análise no FC! Review de hoje!

Confira mais vídeos sobre cinema no canal Fala, Cinéfilo!

FC! Review – O Bom Gigante Amigo


Steven Spielberg, Roald Dahl, Melissa Mathison e Walt Disney juntos no mesmo projeto? Como isso poderia dar errado?
No FC! Review de hoje, comentamos a estreia de “O Bom Gigante Amigo”, um filme infantil que tinha tudo para ser um dos grandes lançamentos do ano, mas que acabou decepcionando. Estreia no dia 28 de julho.

Imagens: O Bom Gigante Amigo / Walt Disney Pictures

Confira mais vídeos sobre cinema no canal Fala, Cinéfilo!

FC! Review – Caça-Fantasmas


No FC! Review desta semana, comentamos a estreia mais polêmica do momento: “Caça-Fantasmas”, reboot do clássico de 1984 com protagonistas femininas.
O filme conta a história de duas pesquisadoras do sobrenatural que se unem a outras duas especialistas e um secretário para impedir que um lunático abra um portal entre os mundos, libertando fantasmas em Nova York.
Estreia no dia 14 de julho nos cinemas.

Imagens: Caça-Fantasmas (2016) / Sony Pictures

Confira mais vídeos sobre cinema no canal Fala, Cinéfilo!

FC! Review – Procurando Dory


Hoje estreamos o FC! Review, um novo programa no Fala, Cinéfilo! com críticas de filmes. Para começar, mergulhamos no universo da Pixar para falar de “Procurando Dory”, principal estreia desta quinta-feira, 30 de junho.
O filme é a primeira sequência de “Procurando Nemo” e acompanha Dory, Marlin e Nemo em mais uma aventura pelos mares, desta vez para encontrar os pais da esquecida peixinha azul.

Gostou? Deixe seus comentários! Queremos saber o que você achou do filme e do programa para melhorarmos sempre.

Confira mais vídeos sobre cinema no canal Fala, Cinéfilo!

Resumão#14 – Especial Star Wars: Ep. VII – O Despertar da Força

Aviso: este vídeo CONTÉM SPOILERS e é recomendado para quem JÁ ASSISTIU AO FILME.

O último Resumão de 2015 está mais do que especial! Recebemos o Doktor Bruce, do portal Freakpop, para destrinchar o maior lançamento do ano, “Star Wars: Ep. VII – O Despertar da Força”. Falamos sobre os novos personagens, as referências clássicas e analisamos as grandes surpresas do filme, como fãs e como críticos. Será que este é mesmo o melhor episódio da franquia até agora?

Se você já assistiu ao filme e não consegue pensar em outra coisa, deixe seu comentário e participe da discussão! Queremos saber sua opinião!

 

Confira nossas críticas do filme:

Juliana Varella (Guia da Semana): http://goo.gl/JHUq4Q

Doktor Bruce (Freakpop): http://goo.gl/d4Lz0n

Crítica: “As Memórias de Marnie” explora aspectos sombrios da infância com melancolia e delicadeza

Se você gosta de animação cinema e ainda não conhece o estúdio Ghibli, está mais do que na hora de preparar uma maratona e mergulhar nesse universo mágico e sensível que é a animação artesanal japonesa. Fundado por Hayao Miyazaki ( “A Viagem de Chihiro”), Isao Takahata ( “Túmulo dos Vagalumes”) e pelos produtores Toshio Suzuki e Yasuyoshi Tokuma, o estúdio traz aos cinemas neste mês mais uma pequena pérola: “As Memórias de Marnie”, de Hiromasa Yonebayashi (“O Mundo dos Pequeninos”).

b

Não espere nada parecido com uma comédia infantil vindo daquele canto do mundo: “Marnie” é introspectivo como sua personagem principal, Anna. Com cerca de onze anos, Anna é uma garota solitária que se sente muito diferente das outras – fora do “círculo”, como ela mesma coloca. Observadora, ela cultiva um talento muito grande para desenhos e tem em seu caderno seu melhor amigo.

Segundo descobrimos por sua “tia”, Anna já foi mais alegre, mas, de uma hora para a outra, parou de demonstrar emoções. Sabemos que ela é adotada e guarda um sentimento de rejeição associado a isso, mas, a princípio, não fica claro qual foi o acontecimento que provocou essa ideia.

A história começa, realmente, quando a protagonista é mandada para a casa de outros parentes, para passar as férias numa região mais verde e se curar da asma. É lá que ela se encanta com um casarão, isolado por um rio que só se enche durante algumas horas por dia, e é lá que ela conhece sua misteriosa moradora, Marnie.

A relação que Anna desenvolve com Marnie é algo que vai além de amizade, e isso faz pensar. É como se Marnie, loira, rica e extrovertida, fosse o oposto da protagonista, tímida e “tomboy” (levamos algum tempo, inclusive, para perceber que Anna é menina). Mas também não é uma relação romântica, simplesmente: é uma admiração, como se uma representasse tudo o que a outra gostaria de ser e, juntas, elas pudessem fugir de suas realidades, ambas solitárias. Juntas, mesmo nas circunstâncias mais impossíveis, elas se ajudam a superar seus medos.

Mas, e se Marnie não estiver realmente ali? E se ela nem for real? Não importa, o efeito é o mesmo. Anna está mais do que acostumada a preferir fantasias à vida real e ela não questiona, nem por um momento, a natureza daqueles encontros. Isso também faz pensar.

“As Memórias de Marnie” estreia no dia 19 de novembro e é uma belíssima porta de entrada para quem ainda não conhece o trabalho do estúdio: tocando em temas pesados como depressão e isolamento, mas de forma delicada, o filme mostra toda a complexidade do cinema de animação japonês. Para os fãs da marca, “Marnie” também não deve decepcionar. É tão emocionante e tão estonteantemente belo quanto se poderia esperar de um Ghibli. Imperdível.

Texto publicado originalmente no Guia da Semana.