Crítica: “Beasts of No Nation” disseca a guerra pelo ponto de vista de crianças-soldados

Na última sexta-feira (no dia 16 de outubro), a Netflix disponibilizou para assinantes de todo o mundo seu primeiro longa-metragem original, “Beasts of No Nation”. Originalmente pensado para estrear simultaneamente no canal e nos cinemas norte-americanos, o filme acabou sofrendo boicote das principais redes exibidoras do país e conseguiu abrir em apenas 31 salas, amargando o 33º lugar entre as bilheterias do fim de semana.

beasts

“Beasts” conta a história de um menino africano que, após ter sua vila engolida pela Guerra Civil e sua família inteira assassinada, é recrutado como soldado num grupo de resistência. O filme não se preocupa muito em especificar a situação: que país é aquele? Quais exatamente são as facções rivais? Diante de uma série de siglas genéricas, tudo o que sabemos é que o governo totalitário está invadindo as aldeias e que há pelo menos duas forças contrárias a ele, que também fazem sua parcela de saques e invasões. No meio disso tudo, a ONU desempenha um papel bastante ambíguo, o que dá um quê de crítica social ao longa.

Quem conduz o espectador por esse universo animalesco de crianças-soldados é Agu (Abraham Attah), protagonista e narrador que complementa a violência na tela com reflexões muito bem pontuadas. Sua evolução (ou involução, de criança travessa a uma criatura com metade da sua humanidade) é o que mais impressiona no filme de Cary Fukunaga (True Detective), que constrói esse personagem com calma e cuidado.

Outro elemento-chave na narrativa de “Beasts” é o Comandante, interpretado por Idris Elba (um dos únicos atores profissionais no elenco). Paternal e abusivo, seu personagem representa o pior da guerra para Agu: a violência psicológica de quem é obrigado a correr de encontro à guerra para tentar escapar vivo dela, e a fazer tudo o que não acredita para sobreviver.

O longa começa com fôlego e a trilha sonora – composta por canções infantis, palmas e, mais tarde, tiros – ajuda a dar ritmo. Lá pela terceira parte das mais de duas horas de filme, porém, o roteiro perde o embalo e se permite demorar demais em algumas cenas que acabam tornando a jornada de Agu cansativa. O final, apesar de conter algumas cenas belíssimas, não consegue recuperar o encanto do início e o filme termina numa nota um pouco amarga.

“Beasts of No Nation” é, com certeza, apenas o primeiro de muitos projetos ousados da Netflix para o cinema, como foi “House of Cards” para a TV. A produção é muito bem feita e a direção realmente impressiona – não surpreende se o filme for lembrado quando chegar o momento de definirem os indicados ao Oscar 2016. Para quem ainda não viu, fica a dica: respire fundo e vá em frente. É pesado, mas é melhor do que muita coisa que você vai ver nos cinemas este ano.

Texto publicado originalmente no Guia da Semana.