Estreias do fim de semana


Bora sextar com um monte de filmes e séries que acabam de chegar ao streaming e aos cinemas (para os vacinados, ou para ver naqueles horários beeem alternativos)? Então vem comigo!

Ah! Se você ainda não viu nosso listão com as estreias de maio nas principais plataformas digitais, dê uma olhadinha aqui. ; )

A MULHER NA JANELA | Netflix

Espécie de “Janela indiscreta” versão 2021, o longa traz Amy Adams no papel de uma psicóloga infantil que sofre de agorafobia e, incapaz de sair de seu apartamento, começa a observar a vida de seus vizinhos a partir de sua janela. Um dia, ela testemunha o que acredita ser um crime violento. Estreia: 14/05

LOVE, DEATH AND ROBOTS (V2) | Netflix

A segunda temporada da série antológica de animação estreia nesta sexta. Com oito novos episódios, ela promete novas reflexões perturbadoras sobre a tecnologia, o futuro e os limites da imaginação. Estreia: 14/05

THE UNDERGROUND RAILROAD (T1)| Amazon Prime Video

Dirigida por Barry Jenkins (“Moonlight”) e baseada no romance de Colson Whitehead, a série ganha sua primeira temporada contando a história de uma escrava que, após fugir de uma fazenda na Geórgia, descobre uma rede secreta de trilhos subterrâneos que a ajuda em sua busca por liberdade. Estreia: 14/05

QUEM MATOU LADY WINSLEY?| Belas Artes à la Carte

O longa do iraquiano Hiner Saleem se inspira nos romances policiais de Agatha Christie para contar, com um toque de humor, a história de um inspetor que investiga a morte de uma escritora americana em Istambul, e acaba esbarrando em segredos e tradições peculiares da população local. Estreia: 14/05

MUNDO EM CAOS | nos cinemas

Estrelando Daisy Ridley e Tom Holland, a adaptação da popular franquia literária de Patrick Ness chega aos cinemas, mostrando um futuro onde todos os pensamentos íntimos podem ser vistos por qualquer pessoa. Estreia: 13/05

MÃES DE VERDADE | nos cinemas

O novo drama da diretora japonesa Naomi Kawase (Esplendor) explora, em tom contemplativo, a trajetória de um casal que decide adotar uma criança num centro que conecta mães que não podem seguir com a maternidade por algum motivo, a casais que a desejam. Anos depois,u ma jovem aparece alegando ser a mãe biológica e chantageando a família. Estreia: 13/05

UM DIVÃ NA TUNÍSIA | nos cinemas

Na comédia de estreia de Manele Labidi, Golshifteh Farahani interpreta uma psicanalista que se forma na França, mas volta para sua terra-natal, a Tunísia, para abrir uma clínica. Lá, encara as neuroses e os problemas de uma população marcada por tradições, dificuldades de comunicação e por uma burocracia inescapável. Estreia: 13/05

E aí, qual desses vai ser seu companheiro neste fim de semana? Pessoalmente, quero muito ver Um divã na Tunísia, mas vou esperar a estreia nos meios digitais e, enquanto isso, devo mergulhar em Love, death and robots porque não resisto a um robozinho.

Lupin, A Lenda do Cavaleiro Verde e três mostras online

Fala, pessoal! Olha eu aqui de novo trazendo notícias rapidinhas de cinema e TV. Hoje temos novos trailers, datas de estreias, uma polêmica e três mostras de cinema online e GRATUITAS pra vocês! Divirtam-se =)

Links:

Festival de cinema brasileiro fantástico: festivalfantastico.com 

Mostra Embaúba Play: embaubaplay.com

2ª Mostra de cinema árabe feminino: cinemaarabefeminino.com

.

Errata: o Festival de cinema brasileiro fantástico terá 9 longas: 8 disponíveis durante todo o período e 1 (“Sol Alegria”) com exibição limitada entre os dias 15 e 16/05.

Khaleesi escritora, remake de Druk, novidades da Marvel e mais

Fala, pessoal! Estou de volta para atualizar vocês sobre as principais notícias do cinema e da TV. No vídeo de hoje, falamos sobre a HQ feminista escrita por Emilia Clarke, o remake americano do Melhor Filme Internacional no Oscar, as primeiras imagens de Os Eternos e muito mais. Vamos lá?

Vídeo: Oscar 2021


Oi, pessoal! Hoje o programa de cinema está um pouquinho diferente: como o Oscar é neste domingo, resolvi fazer um vídeo especial sobre os indicados à categoria de Melhor Filme, pensando no que eles têm em comum, e o que essa seleção diz sobre o mundo e o cinema nestes tempos de pandemia.

Primeiro, quem são e onde estão?

Neste ano, temos 8 indicados, 3 deles produzidos por empresas de streaming. Em ordem dos meus favoritos para os menos amados, temos: Bela Vingança, que estreia eternamente “em breve” nos cinemas, sem previsão para aluguel online; Judas e o Messias Negro, que estreou em fevereiro, mas caiu no limbo dos cinemas fechados; Minari, que estreia hoje, mas também só nos cinemas por enquanto; Os 7 de Chicago, que está na Netflix pra todo mundo ver desde o ano passado; Meu Pai, que está nos cinemas E disponível para aluguel nas plataformas digitais desde o começo de abril; Nomadland, em cartaz em alguns cinemas, mas sem previsão pro online; O Som do Silêncio, que está na Amazon Prime; e o sonífero da temporada, Mank, em cartaz na Netflix.

Como você pode ter reparado, o que impressiona nesta edição é a pequenez dos indicados. Uma causa disso pode ser que os “grandes” tiveram seus lançamentos nos cinemas adiados para não saírem durante a pandemia – afinal, quem saiu em 2020 se deu mal, vide Tenet e Mulher Maravilha.  Assim, sobrou espaço para títulos independentes e de diretores que nunca tinham aparecido na lista. E, com os cinemas fechados durante boa parte do ano, as únicas produções mais “polpudas” a manterem suas datas de estreia sem grandes prejuízos foram as da Netflix e da Amazon – e mesmo assim não era nenhuma superprodução. 

Mas exatamente quão pequena é esta edição? Eu fiz as contas: se a gente somar TODOS os indicados a Melhor Filme neste ano, o orçamento total não chega a 130 milhões de dólares, que é o que custa um filme razoável em Hollywood. É menos do que custou O Irlandês no ano passado, por exemplo. Pra se ter uma ideia, o filme mais caro deste ano é Os 7 de Chicago, da Netflix, e ele custou só 35 milhões – o que é menos que a média dos indicados no ano passado, mesmo se tirarmos O Irlandês, que era o mais caro. Em 2018, que foi um Oscar “de filmes pequenos”, 2 títulos custaram menos que 10 milhões. Este ano, foram 4.

As bilheterias, por motivos óbvios, também ficaram bem menores, e mais difíceis de calcular, por conta dos lançamentos online. Ao todo, os concorrentes deste ano arrecadaram cerca de 40 milhões de dólares nos cinemas do mundo todo, quando o normal pro Oscar é algo acima de 1 bilhão. No ano passado, foram 2 bilhões. Os números ainda podem subir um pouquinho ao longo dos próximos meses, mas dificilmente vai chegar perto disso.

A conclusão triste é que esses filmes dificilmente serão vistos com o mesmo impacto que os filmes de outros anos, se é que serão vistos. Afinal, poder assistir na TV de casa é uma salvação em tempos de pandemia, mas eu imagino que um filme como Nomadland, por exemplo, seja outra experiência numa sala de cinema. 

Dito isso, a seleção deste ano parece querer dizer alguma coisa para a gente.

Dos 8 indicados, 7 deles têm histórias que dialogam de alguma forma, formando um panorama do mundo atual e dos seus problemas mais urgentes. Como o meu marido comentou esses dias, é como se o cinema estivesse se aproximando do documentário, às vezes até na forma, como em Nomadland, mas outras vezes só no conteúdo, tentando ser muito mais um retrato crítico da realidade do que uma variação mais fantasiosa dela. Não por acaso, 5 dos concorrentes são baseados em histórias reais.

É claro que o Oscar sempre trouxe alguns filmes com esse perfil, mas, neste ano, isso é a regra, não a exceção. Temos filmes que discutem privilégio branco e masculino, imigração, manipulação da justiça, doença, envelhecimento, e, no centro de tudo, as contradições do capitalismo e a necessidade de se pensar em outro jeito de existir, especialmente de forma mais comunitária e colaborativa. Isso surpreendentemente é algo que permeia quase todos os filmes. 

Minari e O Som do Silêncio falam da importância da comunidade para a adaptação, seja a um novo lar, seja a uma nova realidade. Nomadland também trabalha essa ideia, e acrescenta a isso a dificuldade de se criar laços numa economia de trabalhos temporários e identidades definidas pela renda. Judas e o Messias Negro mostra os Panteras Negras como um grupo que não só enfrenta a polícia, mas também trabalha para a comunidade, juntando voluntários para suprir o que o Estado não dá, e Os 7 de Chicago, que tem uma história simultânea e até um personagem em comum, traz essa ideia do coletivo implícita no evento que leva os sete ao tribunal – é a massa que vai contra as autoridades, e questionando um capitalismo que está lucrando com a guerra. 

Meu Pai vai por outro lado, e fala de relações e conflitos muito mais pessoais. Ainda assim, há uma ideia de solidão que dialoga com os outros filmes – não há comunidade que possa ajudar esse homem preso na própria cabeça. Já Bela Vingança tem uma protagonista solitária também, mas sua história fala da quebra de confiança no outro. Ora, se as próprias pessoas violentam umas às outras e saem impunes, como podem esperar que as organizações não façam o mesmo? Que comunidade estamos criando? No fundo, o tema é sempre o mesmo: o sistema – patriarcal, capitalista – está quebrado. Exceto em Mank: Mank existe numa outra realidade.

Coerente com isso, a representatividade é a maior em todos os 93 anos de premiação: desta vez, temos apenas 1 filme centrado num personagem mais padrão – homem branco de meia idade, ocidental, com dinheiro -, que é Mank, e mesmo ele é um alcoólatra. Nos outros, os protagonistas são mulheres, homens negros, idosos, pessoas com deficiência, coreanos, e, no meio do caminho entre o padrão e a subversão, um grupo de protagonistas brancos, mas ativistas de esquerda, em Os 7 de Chicago

Atrás das câmeras a diferença também é gritante: 2 filmes têm diretoras mulheres; 1 tem um diretor negro; 1, coreano; e 1 francês, isso só na categoria de Melhor Filme. Parte da razão pra essa diversidade toda é o aumento do corpo de votantes da academia no ano passado, que finalmente incluiu pessoas mais jovens e diversas. Mas outra parte também parece ser a ausência dos grandes filmes: esses acabam tendo a obrigação de arrecadar bilheterias enormes para se pagar, e isso faz com que repitam certos temas e certas fórmulas para não desagradar ninguém. Sem eles, vem à tona um quadro muito mais realista do que está sendo feito no mundo, e a gente vê que é um quadro marcado pela vontade de usar o cinema para discutir coisas reais, pra dar voz a todo o tipo de gente e mostrar o que está errado, pra tentar provocar a mudança.

Isso não quer dizer que os filmes deste ano estejam melhores do que dos anos passados. No geral, são filmes menos empolgantes, alguns menos memoráveis, mas são todos mais intimistas, adequados para o momento de isolamento que estamos vivendo. Talvez “autoral” seja a palavra: dos 8 indicados, 4 têm uma única pessoa assinando o roteiro e a direção: Nomadland, Bela Vingança, Minari e Os 7 de Chicago. E mesmo nos outros o diretor está sempre envolvido no roteiro. 

Minha aposta? Depois de descobrir que a votação acontece de um jeito que não basta ser amado por mais gente, você também tem que não ser odiado por muita gente –, começo a pensar que Meu Pai tem grandes chances. Nomadland vem vencendo tudo, mas não vi por que tanto aue… Meu favorito mesmo é Bela Vingança. Mas vai incomodar muita gente, e, se incomodar, é porque fez seu trabalho. Então não deve ganhar.

E você? Quais são suas apostas? Lembrando que o Oscar acontece neste domingo, dia 25, e você pode assistir pela TNT a partir das 21h.

Rapidinhas de cinema

Bom dia, leitores queridos!

Alguns de vocês me acompanham no Instagram, outros não, mas tenho publicado, por lá, vários vídeos com notícias semanais: um deles, que sai às sextas, traz notícias de assuntos diversos, do Brasil e do mundo, normalmente curiosos e pouco discutidos (mas nem sempre). O outro, que está saindo às quartas, é só sobre cinema, igualmente eclético.

Resolvi que vou começar a colocá-los aqui no blog também, para que mais gente possa assistir! Este foi o vídeo da última quarta, 14 de abril. Divirtam-se!

Continuar lendo “Rapidinhas de cinema”

Cinema: hobbits soviéticos, trailer de Loki e um novo streaming

Promessa é dívida e hoje estreio um novo quadro de notícias só sobre cinema e TV, no Instagram. Na primeira edição, falo sobre uma adaptação soviética de O Senhor dos Anéis que ressurgiu na internet, comento o trailer da nova série da Disney +, Loki, conto uma história louca sobre um nome escrito errado durante a vida toda e apresento mais um serviço de streaming que vem por aí.

Continuar lendo “Cinema: hobbits soviéticos, trailer de Loki e um novo streaming”

Críticas do Oscar – Meu Pai

Pouco a pouco, vou me atualizando sobre os filmes indicados ao Oscar – se é que faz sentido pensar em Oscar no ano-sem-cinema de 2021. Neste ano, o ritmo está mais lento, e nem o grande favorito nem a possível zebra da vez chegaram ainda, mas alguns outros títulos já estão disponíveis e, já que não se pode excluir ninguém depois que Green Book e Moonlight levaram a estatueta, vamos conferindo tudo o que dá. Já risquei da categoria de Melhor Filme O Som do Silêncio (em cartaz na Amazon Prime), Os 7 de Chicago (na Netflix) e, agora, Meu Pai, que chega às plataformas no dia 9 de abril para compra e no 28 para aluguel, mas foi exibido com um pouco de antecedência para os ansiosos da imprensa. Espero escrever sobre todos esses e alguns outros antes do dia 25, quando acontece a premiação. Torçam por mim!

Continuar lendo “Críticas do Oscar – Meu Pai”

Notícias da Ju: violência contra asiáticos, censura, canal de Suez, cinema

Salve, pessoal! No Notícias da Ju de hoje, falo sobre a onda de violência que tem atingido a comunidade asiática, impulsionada pelo preconceito com o “vírus chinês”, sobre um filme brasileiro que certas autoridades querem boicotar, sobre o navio que encalhou numa das passagens mais importantes para o comércio mundial e faço uma rodada de notinhas sobre cinema. Assista:

Continuar lendo “Notícias da Ju: violência contra asiáticos, censura, canal de Suez, cinema”

Thelma e Louise e Hunter

Quase trinta anos separam os filmes Thelma & Louise, clássico de 1991 escrito por Callie Khouri (que ganhou o Oscar pelo roteiro) e dirigido por Ridley Scott; e Swallow, novidade cult de Carlo Mirabella-Davis lançada entre 2019 e 2020, em cartaz no Mubi. De um lado, um roadmovie com sua dose de humor, uma dose de ação e outra dose generosa de Geena Davis e Susan Sarandon. Do outro, um drama um tanto aflitivo conduzido pela ainda desconhecida, mas interessantíssima Haley Bennett. Em ambos, mulheres aprisionadas. Em ambos, mulheres que machucam a si mesmas. 

Continuar lendo “Thelma e Louise e Hunter”

Malcolm & Marie

Depois de um atraso na forma de internet caída, enfim assisti ao filme-dê-erre da vez: Malcolm & Marie. Estava tão curiosa quanto receosa: tinha lido coisas boas e ruins, tinha visto o trailer e vinha cultivando uma vaga sensação de que aquela era uma obra cheia de ego. Um pastiche feito de imagens que mais pareciam do que eram, inflado por dois dos atores mais cultuados do momento. Bonito. Pretensioso. Falso. Já tinha um veredito antes de começar. 

Continuar lendo “Malcolm & Marie”