Homem-Aranha no Aranhaverso: seis aranhas para a nova geração

Depois de anos de super-heróis amadurecidos, sombrios, metidos em guerras mundiais, grandes dilemas morais ou na subversão tão pós-moderna dos conceitos de bem e mal, a animação “Homem-Aranha no Aranhaverso” chega aos cinemas bem menos pretensiosa, devolvendo o gênero às crianças e lembrando aos adultos que toda aventura começa tão pequena quanto uma picada de aranha num garoto inseguro.

Continuar lendo “Homem-Aranha no Aranhaverso: seis aranhas para a nova geração”

Tinta Bruta: vencedor do Teddy Awards usa delicadeza e poesia para falar de repressão

Pedro não gosta de lugares públicos. Apesar disso, todas as quintas-feiras ele liga sua webcam e dança nu, banhando-se em tinta neon e tocando seu corpo colorido para uma plateia fiel e pagante. O vencedor do Festival do Rio e do Teddy Awards (troféu voltado para filmes queer no Festival de Berlim), “Tinta Bruta”, finalmente chega aos cinemas brasileiros no dia 6 de dezembro trazendo essa história melancólica e quase trágica para brilhar na tela. Isso, se o público estiver pronto para ela. Continuar lendo “Tinta Bruta: vencedor do Teddy Awards usa delicadeza e poesia para falar de repressão”

Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar

Mais um ano, mais um remake ambicioso com o subtítulo “a origem” chega aos cinemas. Desta vez, é o justiceiro Robin Hood que ganha sua enésima rodada nas telas, agora com o rostinho bonito de Taron Egerton, uma coleção de roupas inexplicavelmente modernas e o festival de pirotecnia e efeitos visuais que se espera de qualquer superprodução de respeito. Continuar lendo “Robin Hood – A Origem: mais um remake sem nada a acrescentar”

Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas

Há muito pouco fogo no sul-coreano “Em Chamas”. Muito pouco diante das câmeras, quero dizer, porque, por trás delas, pode haver quantas labaredas você quiser imaginar. E é disso que se trata o suspense psicológico de Lee Chang-Dong, longa que representa seu país no Oscar 2019 depois de ter sido indicado à Palma de Ouro e vencido o prêmio da crítica em Cannes: imaginação. Continuar lendo “Em Chamas: suspense coreano seduz com trama ambígua e cheia de entrelinhas”

Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades

Quando uma série adaptada se desprende de seu material original, coisas inesperadas, necessárias e um pouco incômodas costumam acontecer. Tem sido assim com os episódios mais recentes de Game of Thrones e, cada vez mais, tem sido assim com a franquia Harry Potter. “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, segundo prequel da saga bruxa que chega aos cinemas neste mês já sem nenhum livro concreto no qual se basear, é prova disso. Continuar lendo “Animais Fantásticos 2 chega aos cinemas cheio de liberdades”

“A Garota na Teia de Aranha”: saga Millenium continua sem a pegada da Fincher ou Larsson

A atriz sueca Noomi Rapace, a americana Rooney Mara e a britânica Claire Foy podem ter muito pouco em comum, mas, a partir do dia 8 de novembro, todas terão vivido a mesma personagem nos cinemas: Lisbeth Salander, a hacker caçadora de homens maus. É quando estreia no Brasil o novo filme da saga Millenium, “A Garota na Teia de Aranha” – adaptação do quarto livro da série, escrito por David Lagercrantz (Stieg Larsson, autor dos três primeiros, faleceu em 2004). Continuar lendo ““A Garota na Teia de Aranha”: saga Millenium continua sem a pegada da Fincher ou Larsson”

Bohemian Rhapsody: biografia do Queen joga seguro, mas emociona

Quando as primeiras notas de Another One Bites the Dust vibram no baixo de John Deacon e ressoam pelas caixas de som na sala de cinema, os fãs se arrepiam e uma acalorada discussão chega ao fim. Na tela, Freddie, Roger e May vinham discordando sobre incluir ou não um pouco de Disco no álbum seguinte, mas aquele riff perfeito trouxe suas atenções de volta ao que importava: a música. Sem gêneros, sem promessas, sem padrões, simplesmente a música do Queen. Continuar lendo “Bohemian Rhapsody: biografia do Queen joga seguro, mas emociona”

O Doutrinador: graphic novel brasileira chega aos cinemas pingando sangue

“Serial killer ou justiceiro?”. A frase, que aparece brevemente como a manchete de um jornal fictício no longa “O Doutrinador”, resume bem a questão que se coloca na tela (e nas ruas): afinal, vale tudo no combate à corrupção? Continuar lendo “O Doutrinador: graphic novel brasileira chega aos cinemas pingando sangue”

Halloween: sequência chega aos cinemas tentando atualizar a franquia

Quarenta anos atrás, Jamie Lee Curtis enfrentava pela primeira vez um assassino de máscara com um ódio específico por babás que atacava na noite do Dia das Bruxas. Esse slasher estiloso se chamava “Halloween” e logo se tornaria um fenômeno cult. Desde então, onze filmes e muitas reviravoltas se passaram, mas a história, aparentemente, não acabou. Continuar lendo “Halloween: sequência chega aos cinemas tentando atualizar a franquia”

A Casa Que Jack Construiu – a descida ao inferno por Lars Von Trier

Há mais em comum entre Lars Von Trier e seu mais novo protagonista, o serial killer vivido por Matt Dillon em “A Casa Que Jack Construiu”, do que o próprio cineasta gostaria de admitir. Não que Trier vá sair pelas ruas estrangulando mulheres aleatórias, mas, como seu Jack, ele também pode ter os olhos vendados, de tempos em tempos, pelo próprio narcisismo. Continuar lendo “A Casa Que Jack Construiu – a descida ao inferno por Lars Von Trier”