Cinema: problemas na Georgia, Meninas Superpoderosas e Zack Snyder

Bom dia, leitores queridos!

Alguns de vocês me acompanham no Instagram, outros não, mas tenho publicado, por lá, vários vídeos com notícias semanais: um deles, que sai às sextas, traz notícias de assuntos diversos, do Brasil e do mundo, normalmente curiosos e pouco discutidos (mas nem sempre). O outro, que está saindo às quartas, é só sobre cinema, igualmente eclético.

Resolvi que vou começar a colocá-los aqui no blog também, para que mais gente possa assistir! Este foi o vídeo da última quarta, 14 de abril. Divirtam-se!

Continuar lendo “Cinema: problemas na Georgia, Meninas Superpoderosas e Zack Snyder”

O que faz um filme ruim?

Antes de ontem, quis assistir a alguma coisa boba. Um filme que não prometesse muito, nem decepcionasse, para ver comendo pipoca de cérebro semi-desligado. Parece fácil, mas vocês ficariam surpresos com o quão raro é encontrar um desses por aqui – na maioria das vezes, me irrito com os primeiros dez minutos e vou ver outra coisa, que pode ser ótima, mas nem de longe era o petisco relaxante que eu procurava. O eleito, dessa vez, foi um filminho de ficção científica da Netflix que já tínhamos considerado mais do que algumas vezes só porque o protagonista era o Michael Peña e, pelo menos como coadjuvante em Homem Formiga, ele tinha sido simpático. Queríamos alguém simpático para aquela sexta-feira à noite.

Continuar lendo “O que faz um filme ruim?”

Críticas do Oscar – Meu Pai

Pouco a pouco, vou me atualizando sobre os filmes indicados ao Oscar – se é que faz sentido pensar em Oscar no ano-sem-cinema de 2021. Neste ano, o ritmo está mais lento, e nem o grande favorito nem a possível zebra da vez chegaram ainda, mas alguns outros títulos já estão disponíveis e, já que não se pode excluir ninguém depois que Green Book e Moonlight levaram a estatueta, vamos conferindo tudo o que dá. Já risquei da categoria de Melhor Filme O Som do Silêncio (em cartaz na Amazon Prime), Os 7 de Chicago (na Netflix) e, agora, Meu Pai, que chega às plataformas no dia 9 de abril para compra e no 28 para aluguel, mas foi exibido com um pouco de antecedência para os ansiosos da imprensa. Espero escrever sobre todos esses e alguns outros antes do dia 25, quando acontece a premiação. Torçam por mim!

Continuar lendo “Críticas do Oscar – Meu Pai”

Novos e velhos heróis

Zack Snyder não é exatamente meu exemplo de diretor de cinema. Apesar disso, passei quatro horas da última quinta-feira conferindo a sua versão do pipocão-sessão-da-tarde Liga da Justiça, filme lançado em 2017 que ele começou, mas não pôde terminar em decorrência de uma tragédia pessoal. Na época, Joss Whedon assumiu o volante e se deu mal: misturar duas visões de uma mesma obra, assim, às pressas, nunca poderia ter dado muito certo, e o resultado foi visivelmente caótico. Mas por que me dar ao trabalho de assistir à nova versão? Bem, um pouco para poder acompanhar as discussões na internet, um pouco porque conseguimos acessar uma promoção bem baratinha do Google Play (se fosse para pagar R$ 50 a história seria outra), e um pouco por curiosidade sobre o que ele poderia me dizer dos novos caminhos do cinema de massa.

Continuar lendo “Novos e velhos heróis”

“A incrível história da Ilha das Rosas”: Utopia feel-good para abrir 2021

Quando ouvi falar num novo filme que se chamava A incrível história da Ilha das Rosas, lembrei imediatamente do curta de Jorge Furtado, Ilha das Flores – aquele sobre um lixão, que mostrava porcos, tomates e polegares opositores sucedendo-se uns aos outros num ciclo sem fim. Talvez você tenha visto na escola, sabe? Aquele. E achei curioso como, mesmo tão diferentes, as duas “ilhas” com nome de flor tinham alguma coisa em comum: ambas eram lugares fora da realidade, fora da civilização, longe dos olhos, apartadas do que se entenderia em qualquer tempo ou espaço por “terra firme”. Nenhuma das duas era uma ilha. E ambas eram incríveis.

Continuar lendo ““A incrível história da Ilha das Rosas”: Utopia feel-good para abrir 2021”

10 Coisas (meio aleatórias) que eu amei em 2020

“2020 foi um ano esquisito” deve ser o eufemismo da década. Este ano foi meio bizarro para todos, especialmente para aqueles que, como eu, se trancaram em casa pela maior parte dos últimos dez meses colecionando pesadelos sobre máscaras esquecidas, visitas descuidadas e aglomerações. Mas a verdade, se querem saber, é que ficar em casa talvez nem tenha sido o mais estranho por aqui. 

Continuar lendo “10 Coisas (meio aleatórias) que eu amei em 2020”

Meus favoritos de 2018

Chamem-me de piegas, mas sou daquelas pessoas que aproveitam o período entre dezembro e janeiro para fazer o “balanço” do ano que passou e anotar os projetos, metas e tendências para o ano que vem. Retrospectivas são comigo mesmo e talvez esta seja a única época em que eu realmente vejo sentido em fazer listas. Então, antes de olhar para 2019 com olhos curiosos, quero compartilhar com vocês um pouco do que eu vi, li e descobri em 2018. Vamos?

Continuar lendo “Meus favoritos de 2018”

Histórias descartáveis

Quando foi a última vez que você assistiu a um filme que ficou com você? Digo, realmente ficou, até que você assistisse de novo, lesse uma crítica, convencesse todos os seus amigos a verem também e finalmente incorporasse frases inteiras, ideias e referências da tela para a sua vida? Faz tempo, né? Continuar lendo “Histórias descartáveis”

“La La Land – Cantando Estações”

la-la-e

Quem diria que, em pleno 2017, estaríamos falando seriamente sobre um filme cuja sequência inicial envolve dezenas de bailarinos dançando em cima de carros, cantando alegremente e até colocando as mãos para o alto como se estivessem num musical da Broadway ou numa cena de Grease… O fato é que talvez não estaríamos se esse filme não tivesse sido criado por um jovem apaixonado chamado Damien Chazelle.

Para quem não se lembra, Chazelle foi a mente perturbada por trás de “Whiplash”, concorrente pequeno do Oscar 2015 que logo se tornou gigante pelo boca-a-boca e talvez tenha sido o filme mais unânime daquele ano (pelo menos eu não me lembro de ter ouvido ninguém dizer que não gostou – apenas, talvez, que não tenha assistido).

Agora, seu novo projeto não tem mais a vantagem do anonimato e chega aos cinemas carregado de expectativas – o que, curiosamente, parece ter funcionado muito bem para Chazelle. Seu “La La Land”, ao contrário de “Whiplash”, não pretende ser pequeno. Seu objeto não é mais o artista solitário, ou uma jornada pessoal rumo à maestria, mas sim a indústria em torno dele. É como se o garoto iniciante tivesse alcançado a perfeição e, agora, buscasse seu lugar de direito. É como se, agora, ele tivesse que descobrir o que fazer com sua arte (e com sua vida).


O filme tem como protagonistas um pianista de jazz (Ryan Gosling) que sonha em poder tocar livremente, sem perder o emprego a cada improviso, e uma atriz iniciante (Emma Stone) que serve cafés dentro do complexo da Warner, mas não consegue ser levada a sério nas audições. Entre um tropeço e outro, os dois se encontram, se conhecem, e descobrem os sonhos um do outro.

Então, assim como a velha Hollywood que o inspira, “La La Land” se revela grandioso. Na verdade, gigantesco: o filme parece absorver toda a expectativa depositada nele e devolver em dobro, em excessos obsessivamente calculados e geometricamente perfeitos. Desde o ritmo musical presente nos gestos, nos diálogos e especialmente na montagem de Tom Cross (que também trabalhou em “Whiplash”) até a delicadeza dos cenários e dos figurinos, mistos de uma memória nostálgica e um mundo de sonhos, “La La Land” pode se gabar de ser uma produção impecável.

la-la-b

O perfeccionismo técnico, porém, não parece ter sido suficiente para garantir a mesma imunidade de “Whiplash“. Otimismo, afinal, sempre gera desconfiança. Há quem diga que toda a homenagem a Hollywood (as referências a clássicos dos anos 50 e 60 estão por toda a parte), o tom romântico (mesmo que melancólico) e o próprio formato de musical sejam formas de escapismo, como se o filme evitasse lidar com as dificuldades do mundo real. Essa, entretanto, me parece uma acusação extremamente simplista.

La La Land” pode não ser um filme político, mas nem por isso é vazio. Sua mensagem é tão sincera e necessária quanto qualquer outra – talvez até mais, em tempos de desesperança generalizada. Ele diz: “dane-se o mercado”. E então se encaixa no mercado, transformando-o. Ele ensina que é preciso acreditar na sua arte ou o resto do mundo deixará de acreditar. Se isso não é um manifesto pela esperança, então não sei o que é…

A verdade é que, ao conquistar o mundo com um musical à moda antiga, quase ingênuo diante de dramas viscerais como “Moonlight” e “Animais Noturnos”, Chazelle prova que, sim, tudo é possível. Que, não importa o quão tolo pareça seu sonho, ele não é irrelevante nem ultrapassado. “Pessoas valorizam o que é feito com paixão”, pondera a personagem de Emma Stone em certo momento, como se falasse do próprio filme… E “La La Land” é isso: pura e sincera paixão.

 

O Apartamento (2016)

Se há um diretor que está dominando o cinema iraniano atualmente, é Asghar Farhadi. Pela quarta vez, um filme seu é o representante do país na categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar e, pela segunda vez, ele é selecionado, pelo menos entre os nove finalistas (o primeiro foi “A Separação”, que levou a estatueta).

O Apartamento”, drama que estreia nesta quinta-feira no Brasil depois de ser exibido brevemente na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, é ao mesmo tempo muito diferente e muito similar aos seus trabalhos mais recentes, “O Passado” (2013) e “A Separação” (2011). Diferente no tema, similar na forma e na mensagem.

“O Apartamento” conta a história de um casal que é obrigado a se mudar depois que uma reforma no terreno ao lado coloca em risco a estrutura de seu prédio. Sem tempo ou dinheiro para procurar algo permanente, eles aceitam a oferta de um amigo, que lhes aluga um imóvel que acabara de ficar vago.

Esse amigo é um membro do grupo de teatro do qual eles participam, que ensaia a peça “A Morte de Um Caixeiro Viajante”, de Arthur Miller. Em inglês, o título do filme é “The Salesman”, em alusão a esse caixeiro, mas a verdade é que as duas histórias têm muito pouco em comum.

O foco aqui não é uma ilusão de importância cultivada por um homem ambicioso, mas sim algo muito mais íntimo, como um trauma familiar. Um crime acontece dentro do apartamento, ligado à antiga moradora, e o que o filme busca é compreender os sentimentos que cada um dos moradores desenvolve após o evento. Mais uma vez, Farhadi estuda de perto as diferenças entre a perspectiva do homem e da mulher e, mais uma vez, não existe certo e errado em suas ações.

A olhos acostumados com o cinema ocidental, “O Apartamento” tende a parecer um pouco cru. Faltam-lhe cores, faltam-lhe sons. Os enquadramentos nem sempre são os mais ousados ou os mais expressivos. Mas isso tudo acaba apenas evidenciando as atuações de Shahab Hosseini e Taraneh Alidoosti, e os diálogos escritos por Farhadi.

apartamento-c

No fim, “O Apartamento” é um filme tão incômodo quanto “A Separação” e, mesmo que menos completo, talvez seja ainda mais relevante para o público de hoje. Em meio a silêncios, brigas e atitudes desastrosas bem intencionadas, o longa traz uma representação mais realista e menos maniqueísta dos conflitos de gênero, e principalmente das dificuldades que o mundo masculino ainda tem para enxergar uma mulher como dona de si mesma.

“O Apartamento” foi premiado em Cannes como o Melhor Roteiro e Melhor Ator (Hosseini) e também está indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro.